terça-feira, 3 de março de 2009

se há flor, haja amor, seja vida...

"Há cores tão secretas, definidas

E dores inefáveis, tão sofridas

Carícias e promessas, descabidas

Pudores e palavras tão perdidas

Se cabe, não se sabe, das feridas

Se há morte, gente há, desvalida

Se há norte, não se pode, dar guarida

Se há flor, haja amor,

Seja vida."

(Nelson Natalino)

2 comentários:

Ademar Oliveira de Lima disse...

"quem sabe seja,um punhado de nada"
Nós somos um punhado de nada mesmo, o que muda para nós é o fato de haver esta oportunidade para escrever e ser lido. Nestes atos deixamos de ser o nada, para ser pelo menos coisa!!!
Abraço Colega!

Paulo D'Auria disse...

"Se há norte, não se pode, dar guarida"

Querida, voltei pro Orkut, mas não estou conseguindo te encontrar...
Me adiciona, please!

Beijos,
Paulo DAuria